Acesso rápido

Locker ou economia compartilhada: qual a melhor opção de entrega?

por João Cristofolini Terça-feira, 03 de julho de 2018   Tempo de leitura: 6 minutos

Você já deve ter ouvido falar do locker como uma solução para a entrega de mercadorias adquiridas no e-commerce. Na teoria é um sistema bastante prático, pois permite ao cliente buscar a encomenda quando quiser. Esse também é o princípio dos pontos de retirada, que funcionam no melhor estilo de economia compartilhada.

Mas qual opção oferece os melhores resultados para a sua empresa? É o que iremos desvendar a partir de agora.

O uso de lockers no Brasil

Sabe aqueles armários escolares, típicos de instituições de ensino norte-americanas que vemos nos filmes? Aquilo é um locker, ao menos no seu conceito original. Já o novo locker tem na gigante Amazon o grande expoente. A empresa espalhou mais de 2.000 deles pelos Estados Unidos para facilitar a entrega de encomendas aos clientes da sua loja online. Obviamente, são estruturas bem mais modernas do que as escolares.

Tanto é assim que os lockers não possuem chaves. A abertura é feita a partir de um código único e exclusivo, enviado ao cliente por e-mail logo após a compra. O mesmo procedimento é realizado para operações de troca de devolução de produtos, ou seja, demandas de logística reversa.

No Brasil, quem primeiro aderiu ao locker foi a Via Varejo, administradora das redes Extra, Casas Bahia e Ponto Frio. Embora ainda não tenha um grande número de armários com essa finalidade, já é possível encontrá-los em alguns postos de combustíveis em São Paulo. Para o desbloqueio, é realizada a leitura de um QR Code com o celular do cliente.

Locker x economia compartilhada

Lockers possuem semelhanças com outros modelos modernos de entrega e devolução de produtos adquiridos no e-commerce. O pick up store, por exemplo, consiste na retirada em loja física de um item comprado no seu site. Já o pick up point, ou ponto de retirada, vai um pouco além e integra o conceito de economia compartilhada e experiência omnichannel.

Em vez de um locker, o modelo usa estabelecimentos físicos cadastrados para que o consumidor busque ou devolva suas encomendas. Além da comissão, o ponto de retirada frequentemente gera novas vendas — em países como a Inglaterra, isso acontece em mais de 60% das vezes.

Qual o melhor? Somente analisando os prós e contras para saber a resposta.

Vantagens e desvantagens do locker

Falando das vantagens e desvantagens do locker, em comparação ao modelo de pick up points, vamos dividir sua utilização em três públicos distintos:

Para o e-commerce

Um locker funciona 24 horas por dia e esse é o seu grande diferencial. Se o consumidor deseja retirar o produto no meio da madrugada, por exemplo, basta se dirigir até o local com o código recebido. É inegável que essa facilidade ajuda a vender mais, pois gera praticidade ao usuário.

Por outro lado, um locker não é uma estrutura barata. Diferentemente do que acontece com os pick up points, o e-commerce precisa investir na instalação e na manutenção dos armários. Dessa forma, os custos são bem mais altos em relação à comissão destinada ao ponto físico por cada entrega ou devolução.

Colocando tudo isso na balança, o locker é uma alternativa interessante, mas os pontos de retirada e seu modelo de economia compartilhada funcionam melhor.

Para o consumidor

Para o consumidor, o custo da operação é um atrativo tanto nos lockers quanto nos pontos de retirada. Fica bem mais em conta Quando comparado às operações de entrega tradicional, via Correios ou transportadoras. Ambos os formatos são interessantes, embora há quem sinta falta da interação humana no recebimento de suas encomendas, o que não ocorre nos lockers.

Mas há outro ponto que, por vezes, gera insatisfação nos usuários: a limitação de armários. Nem mesmo o serviço da Amazon, referência em lockers, conta com estruturas suficientes para a demanda atual. Veja, por exemplo, o relato da blogueira Alyssa Prado, revelando as limitações de tamanho e de peso das encomendas que podem ser retiradas nesses locais, além dos transtornos por estarem frequentemente ocupados.

No fim das contas, a preferência entre um modelo e outro é bastante pessoal. De todo modo, o importante para o consumidor é contar com uma opção se ele não está em casa ou se o porteiro não tem autorização para receber encomendas, por exemplo.

Para o lojista parceiro

Já na outra ponta, considerando quem entrega de fato o produto, só o modelo de economia compartilhada oferece benefícios. Afinal, como já dito, o estabelecimento credenciado recebe uma comissão, aumenta o fluxo de pessoas na sua loja e, não raro, conquista novos clientes. Não é algo que ocorra com os lockers, que não geram novas demandas de consumo. A comparação entre os modelos para identificar qual o melhor, nesse caso, é desnecessária.

Como seu e-commerce pode solucionar demandas de entrega

Tantos os lockers quanto os pick up points são alternativas novas de entrega e devolução de itens adquiridos no comércio eletrônico, ao menos no Brasil. Mas isso não significa que sejam inacessíveis ao seu negócio. No caso do locker, a dica é recorrer a empresas especializadas e avaliar se o investimento cabe no seu orçamento. Já com os pick up points, o caminho é buscar quem intermedia a relação entre o e-commerce e o estabelecimento físico.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.