Projeto mantido por:

Integração com Marketplace: Um caminho sem volta no e-commerce?

por Galleger Ilhe Quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Como ficam as Lojas Virtuais de varejo frente aos Marketplaces? Profissionais do setor têm analisado frequentemente as alternativas e oportunidades criadas por esses gigantes da internet. O que promete trazer, além de um resultado surpreendente, muita inovação e sofisticação na gestão de e-commerce além, é claro, de um debate bastante criativo.

Um ponto é fato, basta uma breve análise para perceber que temos novos desafios e novos caminhos a seguir. Os grandes Marketplaces, como o Mercado Livre, Walmart, Extra, Rakuten, entre outros, tomam uma expressão cada vez maior. Integrar E-commerces de varejo aos serviços destes gigantes parece cada vez mais urgente. Se existe a possibilidade de oferecer seus produtos em mais de um canal, simultaneamente, não há razões para o lojista negar.

O foco das plataformas de e-commerce deve ser, sempre, atentar para as inovações do mercado e desenvolver ferramentas para facilitar a gestão, aumentar a taxa de conversão e o ticket médio de seus clientes. Pensando nisso, é essencial buscar soluções que permitam essa integração de maneira prática e efetiva.

Ferramentas de integração podem permitir ao lojista escolher quais produtos serão anunciados no Marketplace e preencher, ainda no ambiente do seu e-commerce, os dados que serão anunciados. O fluxo contrário também pode acontecer, por exemplo, caso um lojista tenha um produto à venda no Mercado Livre que não esteja cadastrado em sua Loja Virtual, ele poderá importar os dados automaticamente.

Temos acompanhado de perto o desempenho de alguns de nossos clientes que já utilizam módulos de integração que nós desenvolvemos e o resultado é surpreendente, tanto em número de pedidos, quanto na facilidade de gestão.

O foco é exatamente esse, automatizar as operações e trazer novas possibilidades de negócios para os lojistas, aumentando a taxa de conversão e o ticket médio. Mas atenção, apesar desse tipo de integração facilitar, e muito, a gestão de vendas, não dispensa a utilização de um sistema eficiente de BackOffice ou ERP para operações de médio e grande porte. Desta forma, é possível garantir que seu e-commerce comporte um grande volume de operações, permitindo a gestão de estoque, logística, entrega dos pedidos e demais análises com eficiência.

Com certeza esse é um caminho sem volta para as empresas desenvolvedoras e para os empresários do setor. Os marketplaces vieram para ficar!

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

Deixe seu comentário

13 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. Eu chamo os marketplaces a moderna escravidão. Empresas por querem ter sucesso rápido e sem pensar muito, entram nesse marketplaces, ficarem felizes nos primeiros momentos, mas de fato estão perdendo a independência e com isso ao longo prazo o próprio negócio, mas isso também de fato o início de concentração do mercado moderno, aonde somente os grandes vão sobreviver.
    E tudo isso porque querem muito sem pensar e aliviar as possibilidades. Quando se procura um caminho mais facil, ele é mais facil porque tem atras coisas que poucas podem ver…
    Fica ai a minha critica sobre esse tipo de concentração.

    Responder
  2. Concordo com o comentário acima. Alguns marketplaces acabam explorando o pequeno empreendedor, com altíssimas taxas, o que faz com que eles acabem desistindo de vender nesses canais.

    Responder
    1. Todos os marketplaces cobrarão uma taxa sobre as vendas, eles precisam sobreviver. Se você oferece um serviço que é útil pra um lojista, porque não cobrar por ele?

      Não dá pra querer ter uma vitrine virtual com grande exposição e acesso rápido a clientes sem pagar por isso. E mesmo que se siga pelo caminho mais barato, ou seja, montar uma loja própria usando uma plataforma gratuita, haverá custos diretos como taxa de venda com cartão e custos indiretos como marketing, etc.

      Então, se você anuncia em algum lugar e este te dá um retorno rápido, considere essa taxa como uma comissão de vendedor e embuta nos preços dos produtos. Você paga um vendedor pra ele te trazer resultados, porque não pagaria pra um marketplace te trazer resultados também?

      Responder
  3. É um caminho que deve ser pensado muito bem antes de entrarmos, eu tenho loja no Mercado Livre, Rakuten, TodaOferta, porém a cada dia, acredito mais ainda em focar na minha própria loja, minha marca, pois é isso que afinal de contas vai fazer eu permanecer no comércio eletrônico.

    As Taxas e as exigências que os marketplaces nos exigem, principalmente para fazer marketing são praticamente insustentável pra nós, e ainda estamos, na verdade, fazendo mídia para eles. Hoje estou focando mais na minha Marca, meu domínio. Se pensarmos que não temos vez frente aos grandes, seremos sempre pequenos. Eu acredito Marcarmos presença junto aos nossos clientes é a melhor forma de sermos uma identidade e com isso termos sucesso SIM, sem precisarmos ser escravizados pelos grandes!

    Responder
  4. Sem querer ser tendenciosa, mas para adicionar na reflexão: creio que os Marketplaces podem ser mais uma forma de rentabilizar seu negócio, ter mais um ou vários canais de vendas, testar a aceitação de novos produtos em sua loja, novas mídias e outras muitas oportunidades. Para isso é necessário entender o objetivo e o funcionamento de cada um deles e usar o que cada um tem de mais vantajoso para sua loja crescer.
    Não acredito em escravidão, pois se não der certo para sua loja basta você sair, como em qualquer outro modelo de negócio. Se fosse escravidão poderíamos afirmar que as lojas físicas são escravas dos Marketplaces físicos, que tem custos muito maiores que os online.
    É melhor ter 5 ou mais Marketplaces para testar e ver quais são melhores para seu negócio online, ou gastar pelo resto da vida 30% ou mais de seu faturamento em uma única empresa de link patrocinado, por exemplo? Se fosse tão “ruim”, por que tantos médios e pequenos varejistas estão conseguindo crescer dentro de Marketplaces em diversos países do mundo?
    É um novo modelo e toda mudança trás insegurança, mas pode ser bem vantajoso! Basta saber aproveitar os benefícios de forma estratégica para sua empresa.

    Responder
  5. Bom pessoal, toda moeda tem dois lados, em meu humilde pensamento e experiencia de mercado vejo os marketplace como um termômetro para os grandes varejista que cuidadosa mente criam mais experiencia nos produtos que vendemos no mercado, é simplesmente um aula de sucesso para os já bem sucedidos, mostras em semanas os caminhos que percorremos em nossas vidas todas, estamos tirando o tesouro que ainda temos guardado para colocarmos nos cofres dos marajás, porem vivemos em uma país capitalistas a margem do Exterminador Americano, não temos como fugir dessa realidade. Assim deixo meus pensamentos “devemos ganhar dinheiro com os marketplace da vida e no futuro mudar de ramo”, kkkkk…

    Responder
  6. GALLEGER ILHE tudo bom?

    Trabalho bastante com Marketplace, e minha grande dificuldade é em processar esses pedidos devido ao grande numero de vendas. Gostaria de saber qual seria a plataforma que você recomenda para processar os pedidos deles devido ao grande fluxo, teria que ser uma plataforma que tenha a opção de processar os pedidos em lote, que seja totalmente integrado para fazer a devolução dos arquivos ao Marketplace. Hoje essas plataformas já estão preparadas para fazer integração via API para Mercado Livre, Extra, Rakuten, Americanas, Submarino e Walmart?

    Responder
    1. Olá Leandro, posso te ajudar sim liga aqui na empresa bis2bis.com.br e pode pedir pra falar comigo que eu lhe atendo e te aponto os caminhos.

      Obrigado abraços

      Responder
CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER