Acesso rápido

“Help me”: quero (e preciso) de um investidor

por José Rogério Quarta-feira, 05 de dezembro de 2018   Tempo de leitura: 3 minutos

O mundo é mau. Quando preciso, ninguém me ajuda. Onde está o dinheiro para o e-commerce? Onde estão os investidores?

O e-commerce brasileiro não deveria reclamar. Entre 2010 e 2014, os investidores buscavam de maneira insistente casos de e-commerce para aplicar seu dinheiro.

Lojas digitais de roupas de bebês, vinhos, artigos esportivos, eletrodomésticos, roupas usadas, carros, flores e outra larga lista de produtos foram abençoadas pelo dinheiro fácil e valuations turbinados.

A euforia era generalizada e a senha para entrar na roda da felicidade era “crescer”, ou ter um plano de negócios que mostrasse que se podia crescer, mas não simplesmente crescer, e sim crescer de forma exponencial.

Nesse período, o “crescer” perdoava qualquer pecado, incluindo os da falta de planejamento, do excesso de marketing, do excesso de estoque, do prejuízo e do pecado capital: queima de caixa constante e sem perspectiva de solução, ou melhor, a solução era a próxima rodada de captação.

Os investidores ficaram desiludidos. Os casos de fracasso superam de forma impressionante os poucos e pequenos casos de sucesso. Poucas empresas do e-commerce brasileiro podem se orgulhar de seus resultados, e as maiores empresas do setor são péssimos exemplos. Mas estamos em 2018 e vida que segue.

O e-commerce é o futuro do varejo ou o futuro do varejo passa necessariamente pelo e-commerce. Se isso é fato, é uma questão de atitude e tempo para que os investidores voltem.

Vamos falar sobre fatos:

Nenhuma empresa sobreviverá se não tiver caixa. Para quem já leu o que escrevo, repito a frase: “Lucro é comida e caixa é ar”. Posso passar alguns meses ou anos sem lucro, mas meu negócio não resistirá a uma noite sequer sem caixa.

Ao começar um negócio, ou se tem capital ou alguém que financie. Depois da festa do dinheiro fácil e irracional que existiu até meados desta década, os investidores fizeram um balanço daquela avalanche de investimentos alocados em empresas de poucos fundamentos (falaremos na sequência sobre fundamentos) e se sentiram muito machucados ou, traduzindo, perderam toneladas de dinheiro.

A reação dos investidores foi a de tomarem por prejuízo boa parte daquelas apostas e simplesmente riscaram o segmento e-commerce de seus alvos. As novas “noivas” passaram a ser as empresas de Data Science, SaaS, PaaS, segurança de informação e afins. O dinheiro continua existindo, mas e-commerce virou um nome proibido, uma doença contagiosa, portanto eles decidiram manter distância.

Como recuperar a credibilidade e passar a ser percebido como uma oportunidade? O que os fundos/investidores sérios atualmente procuram são negócios com fortes fundamentos e empreendedores que sejam diferenciados. Vamos reforçar um pouco mais essas duas dimensões.

O que significa um “negócio com fortes fundamentos”? Seguem algumas perguntas que podem ajudar a identificar essa característica. Em que setor está o meu e-commerce? Quão escalável é esse segmento? Qual a chance de incorporar outras verticais? Qual o nível de competição nesse segmento? Que problema esse e-commerce resolve para o consumidor/cliente? Qual a margem que pode ser obtida nesse segmento e quão sustentável é essa margem?

É uma loja diferenciada que entrega um produto que os outros não têm? Qual o diferencial competitivo único? O produto? A qualidade do serviço? O que me faz essa empresa ou ideia ser diferente? Importante lembrar que preço baixo, ou seja, vendas sem margem, frete grátis para todos os produtos e 12 parcelas sem juros não são diferenciais competitivos, nem ao menos sustentáveis. Portanto, fundamento é aquilo que se percebe como base do negócio, o que o faz ser único, escalável e que gere longevidade.

E o que é um empreendedor diferenciado?

É aquele que entende o setor da sua empresa ou demonstra uma elevada capacidade de adaptação, e que passe a percepção de que tem resiliência e flexibilidade. Não é o super-homem, nem a mulher maravilha ou qualquer outro gênero de super-herói, mas alguém que demonstra a capacidade de criar e desenvolver um time. O investidor procura investir no management.

Os empreendedores diferenciados têm capacidade de comunicação e desenvolvem a humildade de ouvir outras opiniões sem perderem as suas convicções. Não existe receita de bolo para o modelo de empreendedor (ela ou ele), mas é alguém, ou um time de sócios, que tenha o brilho nos olhos e a garra.

Ser empreendedor não é para qualquer um, e os investidores sérios sabem que investir não traz a certeza de resultado. Mas que o empreendedor comprometido aumenta muito a possibilidade da construção de uma empresa de sucesso.

Então, pontos colocados, como consigo um investidor?

Elenco aqui algumas sugestões:

Revisar ou elaborar um plano de negócios e uma apresentação institucional, escrever e descrever o que é o negócio, a empresa, qual a entrega que é feita e para quem, qual o tamanho do mercado, como se espera atender a esse mercado e fazer projeções consistentes são fundamentais em um plano ou em uma apresentação da empresa.

A revisão periódica da apresentação institucional sempre provoca reação nos empreendedores, pois muitos descobrem que a empresa que eles imaginam que têm é muito diferente da que eles realmente têm, e alguns chegam à conclusão de que nem eles investiriam novamente nessa oportunidade. Essa revisão crítica e constante é fundamental para o diálogo na busca de investimentos.

Fazer contatos. Buscar investidores é um trabalho em si (full time job) e carrega o risco de perda de foco no dia a dia da operação de seu e-commerce.

Manter contato constante com potenciais investidores, notadamente quando não existe a necessidade do investimento, é uma das funções básicas do empreendedor ou de alguém sênior do time de gestão. Buscar os investidores somente quando existe necessidade de caixa é um erro, pois o processo de formalização de uma captação pode demorar meses e acarretar uma falta de atenção às atividades operacionais.

Prometer menos e entregar mais

Como regra de ouro no trato com investidores, fica a sugestão de entregar mais resultado do que o prometido. Se a promessa tiver sido alta para garantir um valuation mais robusto, isso pode ser um erro, pois uma nova captação estará comprometida.

Empreendedores brasileiros do e-commerce, embalados por um ambiente de abundância de capital na primeira metade deste século, falharam ao não conseguirem entregar os resultados irrealistas que haviam prometido.

Durante o mesmo período, vários investidores foram pouco diligentes na análise de oportunidades e despejaram recursos em empresas sem fundamentos. Cabe agora à nova geração de empreendedores de e-commerce fazer o duro trabalho de reconquistar a confiança dos investidores, tendo como base uma única certeza: o futuro do varejo passa pelo e-commerce.

Artigo originalmente publicado na Revista E-Commerce Brasil

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.