Em ano de feriados, quem tem e-commerce é rei

por Ricardo Calfat Segunda-feira, 06 de março de 2017   Tempo de leitura: 5 minutos

Sempre que um ano tem muitos feriados longos, o varejo sente uma queda nos lucros. Para 2017, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) aponta que a perda deve girar em torno dos R$ 10,5 bilhões.

O valor é 2% maior que em 2016, porque haverá mais feriados emendados e em dias de semana. Uma das principais dificuldades trazida pelas folgas – e que justifica essa queda na receita – é o custo da mão de obra, afinal, os colaboradores devem receber em dobro nessas ocasiões. No entanto, perder um dia de vendas pode não ser uma boa opção para muitos lojistas.

Em paralelo, o Brasil é o terceiro país em que as pessoas passam mais tempo online. De acordo com um levantamento da We are Social, o brasileiro passa 5 horas e 26 minutos por dia na internet via computador ou tablet e outras 3 horas e 46 minutos conectado pelo celular – somando 9 horas e 13 minutos online todos os dias. Passado o choque inicial por vivermos mais de um terço do nosso dia no mundo virtual, essas estatísticas trazem em si muitas oportunidades.

Elas mostram, por exemplo, que mesmo não visitando lojas físicas frequentemente, as pessoas estão online em qualquer outro lugar. E a melhor maneira de alcançar esses consumidores é juntando um bom e-commerce a uma boa estratégia de marketing digital. Afinal, a loja online é menos custosa e pode atrair novos clientes de diferentes partes do país. O ideal é atrelar bom conteúdo, promoções e investimentos nas plataformas de redes sociais e buscas. Isso pode apoiar – e muito – as vendas em feriados e finais de semana, por exemplo.

O e-commerce pode ser também um importante aliado do mundo físico, pois tem a capacidade de difundir e divulgar de forma mais efetiva um negócio. Pequenas e médias lojas são mais facilmente encontradas na internet, além de existirem estratégias de investimentos baseadas em localização. Se sua loja fica no centro da cidade, por exemplo, seus anúncios passam a aparecer para pessoas caminhando pela região. Essa é uma boa maneira, por exemplo, de elevar as vendas no feriado mantendo o estabelecimento aberto.

Só não esqueça de sempre investir na segurança da plataforma online, afinal, uma pesquisa divulgada pela ACI mostrou que as fraudes online aumentaram 31% nos feriados de fim de ano em 2016, especialmente porque mais pessoas fazem compras em épocas comemorativas.

Tentar prevenir fraude sozinho pode ser caro e ineficiente, portanto vale buscar gateways de pagamento que já trazem essa tecnologia atrelada. As melhores práticas internacionais já estão disponíveis no Brasil e, de brinde, alguns já oferecem soluções de BI embutidas que ajudarão a gerenciar suas vendas.

A melhor maneira de escapar das previsões da FecomercioSP é, portanto, traçar estratégias e investimentos focados, também, no mundo digital, que não apenas apoiem a busca por novos consumidores, mas ajudem, inclusive, a alavancar as vendas na loja física – sempre com atenção à segurança do seu e-commerce e de seus clientes.

Tenha sempre em mente que as estratégias para lojas físicas e virtuais devem andar lado a lado. Sua loja é uma só, independentemente do meio por onde é encontrada. A divulgação de produtos e serviços deve fomentar compras futuras com uma única mensagem, mas sempre adequada de acordo com o meio ou plataforma.

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

O projeto E-Commerce Brasil é mantido pelas empresas:

Hospedado por: Dialhost Transmissão de Webinars: Leads Qualificados: Dialhost Recrutamento & Seleção: Dialhost Métricas & Analytics: MetricasBoss People Marketing: Dialhost

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.