Ei, lojista de e-commerce! Você já ouviu falar do Shopee?

por Felipe Morais Quarta-feira, 13 de janeiro de 2021   Tempo de leitura: 10 minutos

Ok, preciso confessar. Eu estou um pouco viciado no Shopee, pela sua navegação fácil e produtos de excelente qualidade, o preço muito abaixo do praticado no varejo tradicional. Uma nave de Lego, que na loja sai por R$ 1,8 mil, está na minha lista de desejos do aplicativo por R$ 450. A mesma. Original. Difícil o varejo concorrer. Não é?

Essa é uma resposta que depende muito da sua estratégia. Sabemos que é complicado concorrer com os produtos chineses, por uma série de motivos. A começar porque eles entregam direto, sem custos intermediários. Isso já traz uma redução de preço. Além disso há o fator imposto, que o Brasil é imbatível nesse quesito, deixando tudo ainda mais caro.

Ainda assim, mesmo com a onda de sites como AliExpress ou Wish, o Brasil ainda é um país que prioriza as lojas nacionais. Principalmente pela segurança da compra e certeza de que o produto, ao chegar, pode ser trocado caso não agrade. Eu já comprei muito em sites chineses. A maioria das compras me agradou, mas também comprei cada produto que na foto era lindo, mas quando chegou em casa…

Quem são eles?

Shopee é um aplicativo de compras de produtos da China, mas há muitos brasileiros vendendo lá. Ao lado do produto, é possível ver a bandeira do Brasil quando a loja é nacional. O que já começa a se tornar algo interessante para você, lojista. Afinal, os produtos chineses estão atraindo a audiência, mas se o seu for similar e com um preço competitivo, graças ao tempo de entrega, você pode levar vantagem.

Sem dúvida, o público do Shopee está preocupado mais com preço do que qualidade. O brasileiro sabe que muitos produtos ali se tratam de réplicas. Ou alguém acredita que a Montblanc que custa R$ 9 mil no site oficial da marca é vendida como original por R$ 400? Entretanto, mesmo quem compra no Shopee produtos com esse “grande desconto” sabe que não está comprando o original. E tem muito brasileiro que vende réplicas ali. Nesse quesito o preço consegue ser competitivo e a qualidade é similar. Quem compra, entende.

Por que anunciar lá?

Para as lojas nacionais, a ideia é vender quase a preço de custo e giro de produtos para ganhar mercado. Pode ser uma estratégia que muitos usaram em 2010 na febre dos sites de compra coletiva, como Peixe Urbano e Groupon. A ideia era vender o produto com o mínimo de lucro, mas conquistar o consumidor.

Depois, com esse consumidor na base, manter um relacionamento com ele via e-mail ou redes sociais fidelizando para futuras compras. Dessa forma, o tempo de vida do cliente na marca seria maior e o prejuízo da primeira compra recompensado nas futuras aquisições. Lembrando que pegar a base e tratar todo mundo de forma igual — mandando a mesma mensagem para todos — nunca foi a melhor das estratégias para fidelizar. Se fideliza sendo único e não genérico.

Uma (e não única) regra do SEO é ter a loja em sites de grande audiência. O Google entende isso como sendo algo relevante. Repito, uma regra, mas não a única. Pode ser um ponto para ajudar no SEO também, porém o foco maior é a venda. O lado interessante é que anunciar no Shopee, como em outros marketplaces, é gratuito. Neste caso, uma regra que aprendi no mundo digital é que a marca precisa estar onde o consumidor está. Deve-se abrir possibilidades para que ele, consumidor, possa se relacionar com a marca onde ele quer — e não onde a marca quer.

A compra é fácil

Fotos são boas. Descrição peca um pouco, mas o básico tem. Entretanto, eu apostaria mais nesse quesito. Na categoria de Moda, por exemplo, algumas lojas não têm grade de tamanhos explícitas, o que faz com que o consumidor desista. Além disso, muitos produtos têm uma descrição simples e curta, que não empolgam.

O aplicativo é rápido, com a árvore de categoria bem resolvida. A compra é prazerosa. Em segundos, tá pago! Se é boleto, o aplicativo gera o código para você copiar e colar no site do banco. Simples, rápido e ágil. Como um site precisa ser.

Shopee lucra no Brasil?

Segundo um vídeo no canal do meu grande amigo Thiago Sarraf, em 6 meses o Shopee chegou a 15 milhões de acessos mensais, e vai crescer ainda mais. Mais de 70% dos seus acessos é via mobile. Eu não consegui achar valor de faturamento do Shopee, mas vamos fazer uma conta de “padaria”?

Média de conversão no e-commerce brasileiro: 1,8%. Serei mais conservador: imagine que a conversão deles seja de 1%. Isso daria 150 mil vendas/mês — reforçando, estou dando uma ESTIMATIVA. Ticket médio no Brasil: R$ 450. Ok, serei mais conservador: imagine que o ticket médio seja de R$ 100. Nesta conta, o faturamento no Brasil seria estimado em R$ 15 milhões.

Vale à pena?

Eu avalio que sim, mas nunca ache que o Shopee vai ser o salvador da pátria. Ele será mais um canal de marketplace, junto com B2W, CNova, Magazine Luiza, Mercado Livre… Apesar de o Shopee ser mais um canal, entre com foco nele. Pois, como meu amigo Sarraf diz: “Se é para entrar só por entrar, nem entre”. Sendo assim, entre planejando. Logística é fundamental para o sucesso. Ou seja, sua loja tem estoque e entrega rápido?

Uma coisa interessante no Shopee: qualquer compra que você faz, no dia seguinte o aplicativo lhe envia uma mensagem confirmando que o lojista colocou seu produto no sistema de entrega — no caso do Brasil, os Correios, por exemplo. Essa agilidade que o aplicativo traz precisa estar no seu dia a dia. Não adianta o cliente comprar o produto na segunda-feira e você colocar no Correio na sexta-feira. Essa agilidade é o diferencial na mente do consumidor para decidir comprar da sua loja ou da chinesa no Shopee. Preço, dificilmente você vai bater o chinês. Porém, na agilidade de entrega eles não conseguem ser mais rápidos. Pelo menos por hora…

Comunicação com vendedores

Shopee é um marketplace. Os vendedores (ou sellers, como o pessoal ama falar, porque palavra em inglês é mais divertido) são muito ágeis nas respostas. Você pode perguntar em português mesmo. Eles vão responder em inglês, mas aí você que chama de “seller” pode usar o Google Tradutor para responder.

O chat é ágil, o que me dá a impressão de ser uma exigência, pois nunca demorou mais do que 24h uma resposta. E olha que no começo eu questionei muita coisa, ainda mais de roupas. E as respostas foram, em sua maioria, muito úteis e satisfatórias, o que me deu segurança na compra.

O que devemos aprender com o Shopee?

Você chegou até aqui e deve estar se perguntando se eu trabalho no Shopee? Claro que não. Nem meu cliente vende, infelizmente. Estou apenas passando uma experiência aqui, para que o Brasil aprenda com eles:

  • Visual;
  • Usabilidade;
  • Conteúdo;
  • Qualidade de fotos;
  • Agilidade na resposta;
  • Experiência;
  • Navegação.

E que de uma vez por todas a gente aprenda em 2021 que e-commerce nunca foi e nunca será: Plataforma + Produto + Google + FaceAds. E-commerce é experiência, acima de tudo.

Gostou desse artigo? Não esqueça de avaliá-lo!
Quer fazer parte do time de articulistas do portal, tem alguma sugestão ou crítica?
Envie um e-mail para redacao@ecommercebrasil.com.br

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER