Projeto mantido por:

Dicas de Redes Sociais para lojas virtuais (vale a pena ficar ligado)

por Daniel Silva Segunda-feira, 11 de abril de 2016

Seu eu começasse esse texto dizendo que a sua loja virtual deve estar presente em todas as redes sociais existentes no mundo, eu já estaria cometendo um pecado. Como já expliquei em outros textos aqui no Portal E-Commerce Brasil, o Facebook é a mídia social praticamente absoluta para qualquer tipo de negócio virtual, mas o Instagram pode não ser o caso da sua loja online. O Linkedin pode uma boa para algumas das lojas virtuais, mas nem todas.

Nesse novo artigo vou comentar sobre alguns detalhes que fui aprendendo ao longo dos anos com a nossa loja virtual e que podem te ajudar de alguma forma quanto ao quesito redes sociais para lojas virtuais.

Redes Sociais para posicionamento no Google e outros motores de busca

Um motivo importante de estar em redes sociais é que se o seu e-commerce está no Facebook, Twitter, Google+, dentre outras, você passa a criar notoriedade de maneira indireta.

As pessoas praticamente procuram tudo no Google quando buscam respostas e quando ficam sabendo da sua loja online a primeira coisa que fazem é digitar no Google “Loja XYW”.

Para ganhar as primeiras páginas de resultados é necessário que você possua o maior número de sites apontando para a sua loja, isto é, do seu endereço www.nomedaminhaloja.com.br.

Tenha isso em mente: é importante aparecer logo nas primeiras páginas, do contrário é como residir no túmulo do seu negócio eternamente. Quem é que em sã consciência fica passeando pelas quintas, sextas, sétimas páginas de resultados do Google? Praticamente ninguém. A não ser em casos específicos que não vale a pena mencionar devido às suas excepcionalidades.

No Facebook, Google+, Twitter Instagram, Youtube e outras mais, é possível registrar o endereço da sua loja online www.nomedaminhaloja.com.br e para o Google e outros motores de busca isso serve como um aval – um “OK, se esse nome e endereço aparecem nessas redes sociais é porque vale a pena exibi-los logo nas primeiras páginas”.

Essa é inclusive uma maneira de obter apontamentos (chamados backlinks ou links de apoio, em uma tradução direta) de sites de autoridade para a sua loja online. Quanto mais links da sua loja online em sites de peso você possui, melhor. Esse é a máxima, quando falamos de ranking perante o Google.

Redes Sociais Ativas, do contrário é perda de tempo

Um principal problema em se tratando de redes sociais é que muitos proprietários de lojas virtuais ficam cegamente apaixonados pelo Facebook se dedicando extensivamente às suas respectivas páginas na rede social em detrimento das outras mídias.

De nada adianta você estar presente em outras redes com o seu endereço eletrônico se elas permanecem como fantasmas ou em estado de putrefação. É necessário movimentá-las mesmo que você não esteja obtendo vendas a partir delas.

Se liga! Se algumas redes sociais não estão lhe rendendo vendas diretamente entenda que com o passar dos anos, o fato de elas estarem apontando para a sua loja online (e estarem perfeitamente ativas) pode melhorar bastante o seu posicionamento perante o Google e por via de consequência aumentar o número de acessos e com isso as vendas. É aí que está o pulo do gato.

Com o Google+ é possível movimentar muito a sua página e angariar seguidores rapidamente, ainda que eles não comprem diretamente no seu e-commerce. É que se você tem uma página no G+ com 500-1000 seguidores e posta freneticamente nessa rede social (do Google) que conta inclusive com comunidades (lembra do Orkut?), isso ajuda bastante no fator resultados exibidos.

Como eu disse, o nome da sua loja ganha espaço nas primeiras páginas de resultados do Google. Diferente seria se você não fizesse qualquer questão de movimentar a sua página nessa rede social e permanecesse de braços cruzados esperando os resultados.

Além disso, se antes de postar alguma imagem no G+ você se lembrar de salvar o nome do arquivo de imagem como nomedaminhalojaonline.jpeg, com o tempo, é possível colher resultados positivos como a exibição de imagens nos resultados de buscas do Google.

Se alguém digita o nome da sua loja online no Google e vai em imagens, pode ser que uma ou algumas daquelas centenas de imagens que você postou no G+ meses atrás seja exibida.

Isso é marketing de Guerra! Você conta com sites apontando para o seu site: seja de sites particulares de alta reputação no meio em que você atua, seja do blog da sua loja online ou de redes sociais nas quais a sua loja marca presença. Falaremos sobre essas técnicas em um ouro texto.

E como fica o Facebook para lojas virtuais?

Voltando ao “todo poderoso” Facebook, uma página movimentada lá também é importante, mas um pouco diferente da rede social G+. No G+ é possível compartilhar imagens em comunidades ou para pessoas que estão seguindo a sua página.

No Facebook, a maioria dos compartilhamentos gratuitos se dá para pessoas que curtiram a sua página – desconsiderando curtidas e compartilhamentos que são exibidos para usuários que não curtiram a sua página. Ou seja, se eu curto alguma postagem de uma página, possivelmente um amigo meu que não curtiu essa página verá a imagem ou mensagem curtida.

Em tempos em que prevalece a controversa ideia de quanto maior o número de seguidores da sua página melhor, aqui vai um contraponto. Muitos proprietários de páginas no Facebook ficam ansiosos para levantar dezenas quiçá centenas de milhares de seguidores na sua página para imputar a ideia de “loja virtual conhecida” uma vez que detém o “aval de muitos seguidores”.

Não é assim que funciona? Você acessa uma página no Facebook e pensa: nossa, dez mil seguidores, muita gente conhece essa loja!

O problema é que caem no erro de patrocinar a página no Facebook (pagam para angariar seguidores) e são vítimas de esquemas fraudulentos que há tempos assolam a rede social. São os chamados clickfarmers, leia mais aqui.

Muitos fraudadores ficam na Indonésia, mas é possível identificar outros pontos no mundo de regiões onde pessoas curtem páginas de maneira totalmente prejudicial ao seu negócio simplesmente para ganharem dinheiro.

Aqui vão os meus questionamentos: de que vale levantar 10 mil seguidores no Facebook dos quais 5 mil são de perfis falsos ou pessoas totalmente desinteressadas pelo seu negócio? De que vale manter uma página de spam que nada agrega ao seu negócio a não ser exibição nas primeiras páginas do Google?

De certo que ter o seu e-commerce na primeira ou primeiras página(s) do Google é importante como eu exaustivamente descrevi, mas ter pessoas que se identificam com o seu negócio genuinamente curtindo a sua página oficial é mais ainda.

Uma experiência boa que temos tido na página da mony mony no Facebook é levantar seguidores diretamente via blog mony mony. Em todos os artigos do nosso blog (que criamos na esperança de serem exibidos no Google), pedimos para que as pessoas que chegaram até o nosso blog em função de ter procurando algo no Google do seu interesse, curtam a nossa página no Facebook.

Assim estamos perseguindo as pessoas que realmente têm algum interesse em algo que fazemos ou como preferimos dizer vendemos. Dessa forma, estamos convidando uma compradora ou potencial compradora à nossa página, isto é, convidando apenas pessoas que de fato estejam à procura de algo relacionado ao nosso negócio, dispensando quem não tenha um interesse “legítimo” do ponto de vista da nossa loja e marca.

Outra forma de ação positiva é patrocinar posts do Facebook (pagar para aumentar a exposição) para amigos que curtiram a sua página. Se Maria curtiu a sua página e ela é uma “curtidora legítima” pode ser que Raquel, que é amiga de Maria, curta essa mesma página caso tenham interesses em comum. Ao menos assim você tenta diminuir as chances de cair nas garras de clickfarmers.

É óbvio que não estamos totalmente imunes a essa praga virtual, mas ao menos tentamos diminuir as chances de ser alvo dessa prática permissiva que não agrega em nada o seu negócio, pelo contrário, só destrói – tempo e dinheiro.

Então é isso. Essas foram algumas dicas de redes sociais para lojas virtuais que acredito serem bastante úteis para quem possui um e-commerce. Não esquece de curtir e compartilhar esse artigo nas redes sociais! É sempre importante divulgar esse tipo de informação! Até a próxima.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

Deixe seu comentário

2 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER