Como os falsos positivos prejudicam análise de fraude no e-commerce?

por Tom Canabarro Quarta-feira, 12 de abril de 2017   Tempo de leitura: 3 minutos

Não é raro vermos e-commerces dizendo que não enfrentam problemas com a fraude, uma vez que têm a taxa de chargebacks sob controle e muito abaixo do limite recomendado pelas operadoras de cartão de crédito.

No entanto, muitas destas lojas virtuais não sabem quanto dinheiro estão deixando de ganhar para manter estes indicadores. Isso acontece em razão de um índice pouco discutido no mercado: os falsos positivos. 

Falsos positivos são pedidos legítimos, feitos por clientes “bons”, mas que foram negados por suspeita de fraude. Esta é uma métrica relativamente difícil de medir, apesar de ser fundamental para um lojista saber se a análise de risco está ajudando ou atrapalhando um negócio. 

Muitos profissionais de e-commerce acreditam que a função de uma solução antifraude é barrar o máximo possível de transações suspeitas, mas esta visão é incompleta.

O escopo da ferramenta deve ir além: um sistema de risco tem a obrigação de otimizar a conversão de um lojista, negando compras suspeitas mas sem que isso, de maneira alguma, afete as compras legítimas.

Um estudo que fizemos recentemente na Konduto indicou que a taxa de tentativas de fraude no e-commerce brasileiro em 2016 foi de 3,58%.

Isso significa que um negócio que tenha uma taxa de cancelamentos muito superior a este número provavelmente está com um problema de falsos positivos: o medo de perder dinheiro com chargebacks está impedindo a loja virtual de ganhar dinheiro com vendas boas. 

Por isso, um gestor de risco deve saber que o “custo da fraude” não é simplesmente o total de chargebacks.

Há diversos outros indicadores que devem ser levados em conta pela gestão de risco, como o índice de cancelamento de pedidos, o custo da ferramenta antifraude e até mesmo a taxa de pedidos derivados à revisão manual – quando o sistema envia pedidos para um agente humano realizar uma última verificação na tentativa de aprovar aquela venda. 

Há, ainda, muita desinformação no mercado a respeito de diversos aspectos relacionados ao combate à fraude. No entanto, é primordial que profissionais de e-commerce tenham em mente que barrar transações suspeitas corresponde a apenas uma parte da função de uma ferramenta antifraude.

Uma ferramenta de risco deve saber gerenciar riscos, maximizando receitas com pedidos aprovados e reduzindo as perdas com transações fraudulentas de análise de risco, mas um antifraude não pode prejudicar as vendas legítimas de um e-commerce.

Muitas vezes, antifraudes que prometem um índice de fraudes igual a zero para um lojista acabam cancelando muitas vendas positivas pelo simples motivo de estes pedidos apresentarem um mínimo de suspeita – e, neste caso, o fornecedor não estaria disposto a assumir a responsabilidade de uma transação mais complexa.

Por outro lado, soluções que sejam capazes de gerenciar o risco de maneira mais assertiva são capazes de garantir uma operação mais saudável financeiramente, pois acabam aprovando mais compras ao mesmo tempo em que não permite que os chargebacks se tornem um pesadelo ao e-commerce.

Por isso, é importante que o sistema de risco possua uma inteligência capaz de barrar somente as compras suspeitas, sem interferir nos pedidos feitos por clientes legítimos. Dessa forma, é possível manter a saúde financeira do seu e-commerce e continuar convertendo as vendas.

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

O projeto E-Commerce Brasil é mantido pelas empresas:

Hospedado por: Dialhost Transmissão de Webinars: Recrutamento & Seleção: Dialhost

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.