Como o e-mail marketing sobreviveu até hoje e qual o seu futuro?

por Vinícius Correa Sexta-feira, 04 de dezembro de 2020   Tempo de leitura: 5 minutos

O e-mail marketing é, ainda hoje, o canal pago com maior Taxa de Conversão do e-commerce brasileiro segundo a última pesquisa E-Commerce Radar 2018. Além disso, representa em média 18% da origem das vendas do e-commerce brasileiro e é, frequentemente, a mídia com maior ROI (Retorno sobre o Investimento), dado o seu baixo custo. Mas, como será que o e-mail se manteve como um canal tão forte para o e-commerce até hoje, passado tanto tempo?

Voltando um pouco no tempo, lá no início dos anos 2000, começavam a se popularizar os primeiros e-commerces no Brasil, como Submarino, Americanas e Mercado Livre. O e-commerce foi crescendo à medida que novos consumidores passavam a usar a internet, impulsionados por uma avalanche de provedores de acesso gratuitos que forneciam, além do acesso discado à internet, adivinhe? Um e-mail.

Sim, o e-mail já estava lá, desde o início da popularização da internet no Brasil. Ter um acesso à internet significava também ter acesso a um e-mail pessoal. Dessa forma, não demorou muito para que as primeiras lojas virtuais percebessem que o melhor canal de marketing direto. Ou seja, para falar diretamente com seu público era o e-mail.

Afinal, ele permite se comunicar com uma grande quantidade de pessoas em pouquíssimo tempo, de modo personalizado e pessoal — com imagens que podem ser facilmente clicadas direcionando tráfego ao site. E, ainda por cima, a um custo muito baixo. Todos estes benefícios do e-mail marketing eram evidentes lá por volta de 2010. E hoje? Será que ainda é assim ou as mudanças nos fazem projetar um futuro não tão promissor?

Para responder à essa pergunta, vou analisar o que mudou no mundo do e-commerce e do marketing digital de lá para cá.

A primeira grande mudança foi o surgimento das redes sociais, como Facebook, Instagram, Linkedin e WhatsApp. E a segunda grande mudança foi a popularização dos smartphones.

Eu costumo dizer em webinars, palestras e conversas com profissionais de marketing que percebo 2 impactos negativos e 2 impactos positivos causados pelas mudanças acima.

Impactos das grandes mudanças

Vou começar falando dos 2 impactos negativos. O primeiro deles foi o surgimento das redes sociais. As pessoas aderiram em peso às redes sociais e, assim, naturalmente dedicam menos tempo para ler e-mails. Para as empresas, ficou claro também que a atenção do consumidor está dividida entre diversos canais, e não mais apenas entre anúncios de Google e e-mail como há 10 anos.

O segundo impacto negativo foi o aumento exponencial do envio de SPAM. Sim, quanto mais lixo na rede, menor a chance de e-mails relevantes e legítimos serem lidos.

Mas, por outro lado, o e-mail marketing tem se fortalecido recentemente por 2 motivos: a popularização de smartphones e o “consenso” de que o e-mail é um canal para negócios, voltado para relacionamento entre marcas e consumidores.

Se por um lado a adesão massiva aos smartphones fomentou o uso de redes sociais, também potencializou o uso do e-mail. Diversos estudos apontam que, após a adoção de smartphones, mais do que duplicou a quantidade de vezes que os brasileiros acessam seus e-mails diariamente — ainda que o tempo dedicado por dia possivelmente seja menor que há 10 anos atrás.

E o segundo ponto que fortaleceu o e-mail marketing como mídia de performance no e-commerce foi justamente a substituição gradual de seu principal papel ao longo de todo esse tempo. Ele deixou de ser usado para comunicação entre pessoas — papel esse assumido pelas redes sociais — e passou a ser cada vez mais usado para mensagens de negócios entre marcas e consumidores.

Portanto, se você ainda tem dúvida sobre o poder do e-mail marketing para e-commerce, tenha uma certeza: o canal segue sendo muito útil e rentável, apesar de todas as mudanças pelas quais passamos recentemente. Está claro para as pessoas que o e-mail é um canal para se manter em contato com novidades de suas marcas preferidas, além de uma ótima fonte de descontos.

Mas, lembre-se: existem cada vez mais marcas competindo pela atenção do seu consumidor na caixa de entrada. Por isso, está mais difícil gerar resultados hoje do que há 5 anos, por exemplo. 

Como tudo na vida, quem mais estuda e se esforça, sai na frente e tem mais chances de ter resultados positivos. Se ainda não está nesse caminho, minha dica é: qualifique-se e procure parceiros qualificados para te ajudar a extrair o máximo do poder do e-mail marketing. Pode ser ótimo para o seu negócio. Pense nisso!

Gostou desse artigo? Não esqueça de avaliá-lo!
Quer fazer parte do time de articulistas do portal, tem alguma sugestão ou crítica?
Envie um e-mail para redacao@ecommercebrasil.com.br

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.