Cinco tendências do e-commerce para aplicar em 2021

por Francisco Sales D'Almeida Sexta-feira, 02 de outubro de 2020   Tempo de leitura: 5 minutos

O e-commerce brasileiro, que já vinha com crescimento significativo ano a ano, teve sua expansão impulsionada no primeiro semestre 2020. Isso, claro, por conta das restrições impostas ao varejo tradicional em meio a crise do Corona Vírus. Neste artigo analisei cinco tendências tecnológicas que podem te ajudar a se colocar um passo a frente da concorrência.

Nos primeiro semestre de 2020, cerca de 7 milhões de novos usuários fizeram sua primeira compra no e-commerce. Isso proporcionou um faturamento 47% superior em relação aos últimos 12 meses, conforme dados da Ebit/Nielsen. A partir disso eu cheguei a algumas conclusões do que pode ser uma tendência no e-commerce.

Voice Commerce

No mercado americano, um dos principais vetores de crescimento das vendas online são os assistentes virtuais. Ainda um pouco distantes da realidade brasileira, os assistentes virtuais, como a Alexa, da Amazon, e o Home, do Google Home são dispositivos que possibilitam o Voice Commerce.

Cerca de 20% dos consumidores americanos já realizaram compras de produtos digitais ou físicos utilizando os seus assistentes virtuais. A indústria prevê um crescimento de 52% nos próximos 4 anos. Por aqui, entretanto, nem o Google nem a Amazon têm previsão de disponibilizar esse recurso em nosso mercado — mas é bom ficar atento.

Como a tecnologia de reconhecimento de voz é relativamente nova e constantemente melhorada, as línguas com o menor número de potenciais usuários acabam ficando sempre em segundo plano.

Shoppable

Navegar pelo Instagram e comprar aquela camiseta que aparece na foto já é uma realidade para os brasileiros. Muitas pessoas fizeram a sua primeira compra online utilizando uma rede social. Ou seja, não precisaram entrar em um marketplace ou baixar um App da sua marca favorita. Empresas de moda estão se beneficiando desse ambiente, onde é possível entregar ao usuário sugestões de compra com base nos seus interesses de navegação.

O mercado americano 2020 será marcado pelo início do Shoppable TV, um sonho antigo que se torna realidade. Quantas vezes você não se interessou por um objeto ou uma roupa que a protagonista de uma novela estava usando? Já pensou em poder ler um QR Code na tela da sua TV e com poucos comandos comprar aquele item? Isso já é a realidade com o lançamento do “NBC roled out Shoppable TV Ads”. A Netflix também prepara o lançamento da sua plataforma, onde o consumidor poderá comprar itens exibidos nos seriados da plataforma de streaming.

Re-Commerce

Cresce o interesse dos consumidores por produtos usados, o chamado re-commerce. E eu posso afirmar que empreendedores se darão bem ao diversificar a oferta. O comportamento do consumidor mudou, especialmente dos mais jovens. Eles passaram a se preocupar com questões de sustentabilidade e a rechaçar o consumismo desenfreado — isso, combinado à uma crise econômica que se prolonga no país. Isso fez com que muitos brasileiros passassem a considerar a compra de itens usados.

Entre os itens usados mais comprados, segundo dados da CNDL/SPC, estão celulares, eletrônicos, eletrodomésticos, roupas, sapatos e móveis.

Devemos assistir novos nichos explorando esse crescente interesse por produtos de segunda mão, como itens de luxo, ferramentas, brinquedos e livros.

Customização

Com a grande concorrência no comércio eletrônico, uma das alternativas para o varejista que deseja se destacar é oferecer ao consumidor a possibilidade de personalizar o produto que deseja adquirir. Essa iniciativa costuma trazer bons resultados. Porém, também traz desafios operacionais que, se não forem levados em conta, podem comprometer o sucesso do negócio.

O site da americana Nike permite ao consumidor personalizar praticamente todos os aspectos dos seus tênis Nike Airs.

A customização irá trazer novas experiências não apenas na moda, mas também em produtos para decoração.

Com a popularização das impressoras 3D, assim como processos mais inteligentes de “fullfilment”, será questão de tempo para que a personalização se torne o novo normal.

Pagamentos instantâneos

Atualmente, existem no mundo 54 países que realizam Pagamentos Instantâneos (PI), com forte adesão na China, Índia e países da Comunidade Europeia.

Com o lançamento do PIX, serviço de pagamentos instantâneos do do Banco Central, o Brasil finalmente entrará nessa realidade. A entrada do sistema está prevista para 16 de novembro e terá grandes impactos nas vendas do e-commerce.

O novo Pix eliminará a resistência das pessoas que ainda têm receio de realizar pagamentos em uma loja virtual por medo de fraudes. Ou seja, trará novos usuários, incluindo aqueles que estão sem acesso aos cartões de crédito (desbancarizados).

Com o tempo, o boleto entrará em desuso com grandes vantagens para consumidores e varejistas. Transações instantâneas, 24 horas por dia, possibilidade de acelerar o prazo de entrega, redução dos custos para o varejista… Esses serão alguns dos benefícios imediatos com a entrada do Pix.

Com a concorrência cada vez mais acirrada, é importante acompanharmos de perto o que está acontecendo aqui e no mundo do e-commerce. Afinal, temos de nos manter competitivos e preparados para os novos desafios na indústria em 2021.

Gostou desse artigo? Não esqueça de avaliá-lo!
Quer fazer parte do time de articulistas do portal, tem alguma sugestão ou crítica?
Envie um e-mail para redacao@ecommercebrasil.com.br

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.