Cashbacks e cupons de desconto continuarão em alta em 2021

por Luiz Tanisho Sexta-feira, 05 de março de 2021   Tempo de leitura: 5 minutos

Que 2020 acelerou ainda mais a transformação digital em curso não resta dúvidas. Outro aspecto fortemente impactado pelo ano mais desafiador para a nova economia, desde início do século 21, foi o comportamento de consumo, que passou por grandes transformações. Dentre as mudanças mais significativas para os negócios, o uso de cupons de desconto e programas de cashback — quando parte do valor pago em uma transação é devolvida como crédito ao consumidor final — foi destaque no varejo eletrônico. A prática deve continuar em alta em 2021, uma vez que o número de adeptos às compras online não para de crescer no país.

Uma pesquisa recente do Cuponomia apontou que os programas de desconto e cashback contribuíram para que cerca de R$ 6 bilhões em transações movimentassem o e-commerce em 2020. Segundo o levantamento, o crescimento do segmento foi de 50% na comparação com 2019. Os dados, portanto, demonstram uma mudança no comportamento de compra dos brasileiros. Cada vez mais estes recursos impactam o chamado “last click” do funil de vendas, levando os consumidores a converterem mais facilmente durante suas jornadas de compra.

O aumento dessa escolha tem relação com o crescimento de vendas no online, especialmente no ano passado — quando muitas redes tiveram que fechar as portas do varejo físico devido à pandemia. Um balanço da Nielsen revela que o comércio eletrônico foi responsável por movimentar R$ 61,9 bilhões em 2019 — a estimativa para 2020, que ainda não foi concluída, é de que a alta seja de quase 40%.

A preferência pelo e-commerce impactou não apenas quem já tinha o hábito de realizar compras online, mas também quem nunca havia utilizado este formato. Dados da ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) revelam que 11,5 milhões de pessoas fizeram sua primeira compra online entre abril e setembro de 2020. Além disso, mais de 150 mil novas lojas online foram registradas no período.

Em um contexto em que mais pessoas optam por esta modalidade, os cupons de desconto e programas de cashback não apenas aumentam as chances de vendas como fidelizam este novo consumidor — mais disposto a utilizar estes recursos em compras antes impensadas. De acordo com o levantamento realizado pelo Cuponomia, as categorias que geraram maior volume de vendas a partir do uso de cupons foram delivery, moda e aplicativos de transporte.

Assim como os cupons, programas de devolução de dinheiro podem ser aplicados das mais variadas formas e ecossistemas de negócios. Podem ser de clubes de assinatura a aplicativos de celular, sites de e-commerce, viagens, entre outros. Com a tecnologia atualmente disponível no mercado, as marcas têm maior flexibilidade para traçarem suas estratégias, diversificando seus canais de vendas, especialmente quando decidem utilizar cupons e cashback. Muitas delas têm escolhido o marketing de afiliados para isto, pelas altas taxas de conversão que este mercado apresenta, além da variedade de empresas parceiras.

A promessa de devolução de parte do valor aplicado em uma compra — além de atrativo para o consumidor — representa chances de aumento do ticket médio para as marcas ao longo do ano. Isso porque nem sempre o dinheiro creditado de volta será suficiente para realização de uma nova compra, levando o consumidor a complementar o valor investido.

Outro ponto relevante é que os brasileiros estão utilizando mais a internet, antes de decidirem ou não por uma compra. Dos 134 milhões de usuários ativos, as informações mais buscadas (em 2019) foram sobre produtos e serviços, de acordo com a pesquisa TIC Domicílios — levantamento mais recente sobre acesso a tecnologias da informação e comunicação, realizada pelo Cetic (Centro Regional para o Desenvolvimento de Estudos sobre a Sociedade da Informação).

Ao passarem mais tempo na web, os consumidores estarão também mais expostos às publicidades personalizadas. Consequentemente, isso aumenta ainda mais a relevância dos cupons e cashbacks no momento de conversão para as marcas. Em um cenário ainda incerto sobre o funcionamento do varejo físico em 2021, investir em soluções como estas certamente garantirá o aumento de receitas e fidelização dos compradores.

Gostou desse artigo? Não esqueça de avaliá-lo!
Quer fazer parte do time de articulistas do portal, tem alguma sugestão ou crítica?
Envie um e-mail para redacao@ecommercebrasil.com.br

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER