Black Friday: repórter conta em vídeos como foi a experiência no Canadá

por Caio Colagrande Quarta-feira, 04 de dezembro de 2019   Tempo de leitura: 9 minutos

Há alguns dias, circulam na internet vídeos mostrando como é a Black Friday canadense. Talvez você já tenha até assistido: as portas abrem, os consumidores — andando calmamente, de maneira civilizada — entram e os funcionários da loja começam a bater palmas em agradecimento. Se não viu, estou falando de cenas assim (a partir dos 41 segundos):

Mas será que foi tudo isso mesmo? Como é a experiência do ponto de vista do consumidor nas principais redes?

Aproveitando que moro por aqui, em Montreal, decidi visitar duas grandes redes varejistas — uma no dia anterior à Black Friday e outra durante a sexta-feira. Então, confira comigo como funciona a data na cidade — e me mande um recado nos comentários se você tiver alguma dúvida ou quiser sugerir algum lugar para visitarmos aqui!

Se quiser saber mais sobre apenas um dos dias, é só clicar no link correspondente:

Pré-Black Friday (dia 28, quinta-feira) – Canadian Tire

Black Friday (dia 29, sexta-feira) – Walmart

Bônus: curiosidades sobre a Black Friday em Montreal

Pré-Black Friday (Canadian Tire)

Apesar de ser, oficialmente, na sexta-feira, muitas lojas — físicas e e-commerce — já estavam com queima de preços com alguma antecedência. No caso da Canadian Tire, uma das maiores redes de departamentos do país, as unidades físicas deram a largada nas promoções no dia 28.

Então, às 17h40, cheguei à loja que fica no Place Vertu, um shopping na região de Saint-Laurent. Uma unidade bem maior e com mais sortimento do que as mais centrais, como é possível ver abaixo.

Minha primeira reação foi de curiosidade: estava meio vazia. Meu palpite é que, como as promoções já estavam no ar há algum tempo, e ficava em uma região um pouco mais afastada, dificilmente ela lotaria totalmente.

Dentro da loja, dá para perceber que a Canadian Tire não focou tanto em divulgar o evento em si – eram poucas as referências à Black Friday ou “Vendredi Fou”, como ela é chamada por aqui —, mas deu desconto em boa parte do inventário, para não dizer a maioria. Alguns dos preços eu já acompanhava há alguns dias e posso dizer que queima era verdadeira. No vídeo, temos cortes que vão de 13 a cem dólares:

Mas vamos à experiência que eu achei mais legal: o Canandian Tire, assim como a maioria das outras lojas grandes, faz um bom trabalho de integração on e offline. No site, a empresa informa quantos itens estão disponíveis de um determinado produto, em uma determinada loja, e em qual corredor encontrá-lo. Veja:

No site da Canadian Tire é possível ver quantos itens estão disponíveis na loja, e onde/Reprodução
No site da Canadian Tire é possível ver quantos itens estão disponíveis na loja, e onde/Reprodução

Já na loja é o caminho inverso: eles usam as informações do site (como reviews e descrições do produto) para melhorar a sua experiência na loja. Se quiser, é possível comprar pelo totem mesmo. Neste teste, como explico no vídeo, decidi buscar um produto dentro da unidade onde eu estava.

Infelizmente, quando cheguei ao corredor, tinham acabado de levar o único fone de ouvido que restava. Não foi desta vez. Quem sabe no dia seguinte?

Black Friday (Walmart)

No dia 29, boa parte das lojas em Montreal abriria a partir das 8h. Por isso, por volta das 7h, meu casaco e eu estávamos na porta do Walmart Decarie, ao lado de uma Toys R Us — que, a partir de 5 de dezembro, vai voltar abrir lojas nos Estados Unidos após pedir falência no país.

Como você pode ver abaixo, apesar de não ser um frenesi à lá Brasil ou Estados Unidos, a fila não estava exatamente tão organizada quanto no vídeo do começo deste relato. Pelo contrário, conforme o relógio ia chegando perto das 8h, mais gente tentava entrar nessa área coberta e um pessoal começou a furar fila.

Quando as portas abriram, foi um pouco “cada um por si”, especialmente no caso de quem ficou mais afastado, no canto esquerdo. No vídeo abaixo, algumas pessoas decidem correr para chegar à área de eletrônicos primeiro.

Lá, havia uma fila formada para comprar celulares. No mesmo departamento, os televisores começaram a se esgotar em um piscar de olhos. Se você tirasse a mão de cima de uma caixa de TV, nem que fosse para olhar o preço, alguém vinha e levava o produto no seu lugar. Sei disso porque aconteceu comigo.

Por um breve momento, surgiu uma agitação na área de smartphones, com direito a dois policiais indo conversar com funcionários. Mas, aparentemente, tudo resolvido sem traumas.

Do ponto de vista estratégico, muitas das promoções valiam exclusivamente para compras na loja física. Foi a tática encontrada pelo Walmart — e outras empresas — para levar tráfego ao ponto de venda. E, claro, aquele senso de urgência constante: “enquanto durarem os estoques”.

Flyer do Walmart canadense na Black Friday 2019
Flyer do Walmart canadense na Black Friday 2019

Mas valia a pena. Um dos aparelhos de TV, por exemplo, estava com 45% de desconto — e era uma oferta real, pois o preço original se manteve o mesmo por pelo menos duas semanas, pelas minhas pesquisas.

Outras lojas, como a Best Buy, lançaram um selo de “preço de Black Friday”. Ou seja, o internauta pode comprar pelo site antes do dia 29 com a certeza de o valor praticado ser o mesmo da sexta-feira.

Exceto pelos eletrônicos, o resto do supermercado estava bem tranquilo. Talvez pelo horário, talvez porque o Walmart já havia começado suas vendas online — com a promessa de vender no site pelo mesmo preço da loja —, o movimento estivesse um pouco mais morno. De qualquer forma, valeu a experiência.

Bônus: curiosidades sobre a Black Friday em Montreal

Para finalizar, algumas curiosidades sobre a data aqui na cidade:

  • Em Montreal (e em toda a província de Québec), o idioma principal é o francês. Por isso, aqui se fala “Vendredi Fou”, ou seja, “Sexta-feira louca” ou “Sexta-feira maluca”;
  • Mesmo assim, encontrei também um cartaz onde se lia “Vendredi noir”, ou seja, Black Friday;
  • Aqui, é muito comum as pessoas lerem os flyers promocionais das lojas, tanto in loco quanto online.

 

Por Caio Colagrande, da redação do E-Commerce Brasil em Montreal

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.