Acesso rápido

7 passos fundamentais para abrir sua própria loja virtual

por João Paulo Arraes Terça-feira, 11 de abril de 2017   Tempo de leitura: 3 minutos

De acordo com relatório divulgado pela Webshoppers da Ebit, o e-commerce teve um aumento nominal de 7,4% em 2016. O faturamento atingiu R$ 44,4 bilhões. Além disso, o ticket médio também subiu. Passando de R$ 388 para R$ 417.

A expectativa para 2017 é ainda melhor. O e-commerce deve registrar um crescimento nominal de 12% neste ano. Atingindo R$ 49,7 bilhões.

Pelas vantagens de não precisar de um ponto físico e poder vender para diversas localidades, o mercado on-line atrai muitos empreendedores iniciantes. Contudo, adentrar nesse mundo, assim como começar qualquer novo negócio, não é tão simples.

Para abrir um e-commerce de qualidade e mantê-lo em operação, alguns passos podem te guiar até o desejado sucesso do empreendimento.

1. Planejamento

Quando um consumidor adquire seu produto, ele deseja solucionar um problema que está o incomodando. Por isso, boa parte do sucesso do seu negócio está relacionado com a qualidade do seu produto ou a eficiência em resolver uma demanda específica. Assim, é importante pensar bem na questão: “qual solução vou oferecer?”.

Após definir seu nicho, o planejamento e a gestão passam a ser cruciais para manter a loja ativa e rentável. Se você já tem uma loja física e deseja estender para o meio digital, pode adaptar o plano de negócios do varejo, considerando as variáveis de um comércio eletrônico. Contudo, o canal de venda on-line deve ser tratado como um novo negócio, ao contrário do que muitos acreditam.

Se o negócio for começar já na internet, analise seus concorrentes e pondere as oportunidades e ameaças de empreender no setor.

2. Escolha da plataforma

A plataforma será a base para sua loja. Por isso, escolher uma que tenha qualidade e que atenda às suas necessidades a curto e longo prazo é essencial para não esbarrar em uma limitação que pode impedir seu crescimento.

Uma das plataformas mais utilizadas para e-commerce é a Magento. Com integração para os grandes marketplaces e totalmente customizável, ela é capaz de estruturar lojas de pequeno e grande porte. Existem empresas especializadas na plataforma, procure a melhor opção para você.

3. Conteúdo

Tudo que seu cliente vai ver quando entrar no seu e-commerce é conteúdo. Fotos, descrições, banners, vídeos, entre outros. Aqui é interessante priorizar as informações sobre o produto. Tudo que o consumidor vai saber do seu produto será aquilo que você vai falar, ou seja, detalhe ao máximo.

A decisão de compra está relacionada ao tanto que esse cliente sabe sobre o item que deseja. Se ele tem dúvida do tamanho exato de um bolsa, por exemplo, a chance dele decidir por não adquirir o acessório é muito grande.

O mesmo vale para as fotos. Procure colocar imagens de vários ângulos, de forma que esclareça todas as dúvidas do visitante. O recurso do zoom também é interessante para mostrar os detalhes.

4. BackOffice e ERP

Você precisará integrar sua loja com os sistemas de gestão de estoque, financeiro e emissão de notas fiscais. Esse é o BackOffice, composto pela administração e pelos processos internos do seu e-commerce, ele fica por trás daquilo que o usuário vê.

No geral, o BackOffice não está incluso na plataforma. Caso você não consiga fazer esse gerenciamento manualmente, pode contratar um sistema de gestão empresarial (ERP – Enterprise Resource Planning).

Um ERP de qualidade e integrado auxilia no processo de gestão, viabiliza o acompanhamento diário com informações precisas e cria relatórios gerenciais que ajudam a enxergar a organização como um todo.

5. Segurança

Manter um sistema seguro é essencial. O consumidor, quando entra no seu site, procura por segurança e quer se sentir confiante no momento da compra.

O certificado SSL, por exemplo, é imprescindível para vendas com cartão de crédito. Com esse sistema, um cadeado aparece na URL e no momento de colocar os dados de compra, as informações são criptografadas, o que impede que elas sejam acessadas por terceiros.

6. Atraia tráfego

Nesta etapa é interessante investir no marketing da loja. O objetivo é fazer com que o site torne-se conhecido pelas pessoas de forma que elas acessem e convertam essa visita em compras.

O marketing digital oferece diversas possibilidades. Entre as mídias pagas, você pode investir em links patrocinados, Facebook Ads e e-mail marketing. O último, uma das formas mais eficientes para vender on-line. Em 2016, o retorno sobre o investimento foi de 4,16%, enquanto o Google gerou 2,64%.

Conquistar novos clientes tem um custo alto. Por isso, após a fase inicial, invista na retenção, ou seja, mantenha seus consumidores e faça com que eles voltem a comprar no seu site. Sugerir novos produtos que estejam relacionados ao que o cliente já comprou, é interessante, já que é uma oferta mais personalizada e direcionada.

7. Logística

A logística corresponde à organização dos processos de recebimento e entrega do pedido.  Engloba o atendimento ao cliente, o gerenciamento de estoque e fornecedores, a embalagem dos pedidos, a troca de produtos, entre outros.

Antes de começar sua loja, você precisará decidir como vai realizar a entrega, optando pelos correios ou por uma frota própria. Além disso, você terá que estruturar sua logística reversa. Lembre-se que o pós-venda em um e-commerce é de suma importância.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.