Acesso rápido

Por que compras de e-commerce não são entregues pela loja ao lado de casa?

por Luiggi Senna Sexta-feira, 19 de janeiro de 2018   Tempo de leitura: 5 minutos

Essa é a pergunta que me faço há muito tempo e sofro com as possíveis respostas. E minha principal conclusão é que ainda preferimos “ter” ao invés de “compartilhar”. Mesmo que “compartilhando” o custo para todos talvez ficasse menor e os benefícios maiores. Lembra do “dilema do prisioneiro”? Se conhece, vai entender que vivemos num mundo onde persiste o Equilíbrio de Nash, estratégia dominante que gera resultados ineficientes. Você vai entender o porque eu falo isso, ao longo do artigo.

Usar soluções individuais de logística ponta a ponta é mais barato que solicitar a uma loja física ao lado do endereço de entrega, que possa entregar o produto para o cliente. A loja física tem preço diferente, claro, seus custos são maiores. O metro quadrado é mais caro, funcionários para atender, no caixa, segurança, etc. Além disso, “o custo da logística last-mile ainda é muito cara” – esta seria a resposta comum e fácil.

Mas isso faz sentido? A loja física, independente do método de entrega, não tem que continuar existindo? O estoque dessas lojas não tem que continuar sendo reposto? Ou seja, esses não são custos afundados? Será que, para vendas via e-commerce, uma loja próxima não poderia fazer a entrega cobrando o valor menor encontrado no site? É um cálculo complexo, mas que pode e deve ser feito.

Logística last-mile não é o problema!

Ok, mas ainda tem a questão da logística last-mile ainda ser cara. Aqui temos quatro pontos a serem tratados:

1. Os custos evitados transferindo a logística ponta a ponta para last-mile não pagam parte da conta?

2. O cliente não pagaria uma taxa de entrega premium para receber o produto no mesmo dia, talvez apenas algumas horas após fazer a compra?

3. As compras por impulso não aumentariam significativamente, além de haver redução dos problemas de devolução?

4. Por que a logística last-mile é tão cara?

Vamo falar primeiro dos pontos 1 e 2.

Acredito que os custos evitados com logística ponta a ponta, mais uma taxa de entrega premium são mais que suficientes para “pagar a conta”. Claro que para poder fazer essa afirmação seria necessário acesso ao volume de informações geradas com milhares de compras realizadas diariamente: itens comprados, bairro ou micro região de entrega, localização das lojas físicas que possuem normalmente os itens em estoque, custo total para manter operação ponta a ponta, volume total de compras nessa modalidade.

Além disso, com os dados médios de pedidos por bairro ou micro-região poderíamos simular essa operação de logística last-mile dedicada: horários de coleta e entrega, custos adicionais com essa operação na loja, custos do transporte e entrega.

Aumente a conversão criando o online-to-offline

Agora imagina seu cliente na loja olhando um produto, provando, experimentando. Na etiqueta do preço um QR Code e logo abaixo escrito “Compre agora pelo site (ou pelo app) com 20% de desconto. Receba ainda hoje!”. Qual seria o impacto na conversão de pedidos na loja?

E mais, pela posição GPS (ou pelo próprio QR Code) é possível saber em que loja o cliente estava quando fez o pedido. A transação toda do e-commerce realizada ali na hora, no ponto de venda. E isso ainda traria outros benefícios.

Segundo conversas que tive com Rodrigo Bandeira, vice-presidente da ABComm, um grande problema do e-commerce são as devoluções. Nesse exemplo ilustrado acima, a compra foi feita na loja. Apenas o método de pagamento e recebimento foram alterados. Será que a lei não beneficiaria o varejista?

Plataformas logísticas

Quem ainda não se convenceu, vai dizer: “a logística last-mile é muito cara!”. Pois é, mas acredito que o problema na verdade é que ninguém quer que ela seja barata. Os atuais modelos de negócio foram criados individualmente por cada uma das grandes redes varejistas.

Cada uma tem sua própria solução e quer manter assim, pois é o que lhes confere competitividade. Qual seria o melhor modelo que deveria existir para os clientes, ou seja, aquele que melhora a qualidade do serviço, tempo de entrega e reduz o custo?

Como tem acontecido em outros segmentos, a solução é a criação de plataformas, nesse caso, de logística last-mile. Empresas especializadas em receber solicitações em real-time, roteirizar coletas e entregas rapidamente e executá-las.

Como tenho pregado em diversos fóruns, nós, seres humanos, só iremos nos perpetuar nesse planeta no momento em que deixarmos de querer “ter” e passarmos a “compartilhar”. Acredito no capitalismo, mas também acredito na economia compartilhada e a vejo como solução para a evolução no modelo econômico em que vivemos.

Vemos esse novo modelo já começar a funcionar em alguns setores. As pessoas têm cada vez menos carros e passam mais a usar meios compartilhados. Quartos de hotéis substituídos por imóveis residenciais vagos.

Canais de comunicação substituídos por redes sociais. A lista segue aumentando. Ser sustentável não é apenas plantar árvores. Seremos realmente sustentáveis no momento em que comprarmos um refrigerante feito da forma mais eficiente possível.

Conflito de interesses – redes multi-canal

Além disso, há outro ponto interessante. Em recente evento da CONVEM, sediado na Rede Entropia, no pólo de inovação da Gávea, no Rio de Janeiro, o professor Haroldo Monteiro, coordenador da pós em varejo do IBMEC, explicou como o conflito de interesse é um problema para redes de franquias.

Empresas multi-canal, que vendem por meio de lojas físicas franqueadas e pelo e-commerce, sofrem pressão de seus franqueados. “Estão roubando nossos clientes!”. Será que isso é uma visão correta? Por outro lado, será que o modelo adotado por essas redes multi-canal está correto?

Deixo o assunto para uma próxima ocasião.

Dúvidas? Envie um email ou comente aqui. Você também pode sugerir o tema do próximo artigo.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.